Quinta-feira, 19 de Julho de 2012

Relvas, o trampolineiro

É com espanto que tenho lido muitas crónicas a desvalorizar o facto do senhor professor, doutor, engenheiro e ministro - pois ele para além de todos aqueles títulos, merecidíssimos, aliás, não tivesse frequentado quatro, repito quatro universidades, também é ministro - ter obtido o diploma de ciência política, com base na invocação, aliás verdadeira, de que o facto de ter ou não o diploma não faz dele melhor ou pior ministro.

Assim é realmente. Com o curso ou sem o curso, seria sempre a peste que todos bem conhecemos.

De resto, bastará recordar o ex-presidente do Brasil, Lula da Silva, se tal fosse necessário, para tirar-mos essa conclusão. Não obstante se tratar de um simples operário metalúrgico, foi em grande presidente. E não precisou de curso superior para o ser.

Todavia, a questão aqui é outra. Mais vasta e mais funda. O que aqui está em causa é a honorabilidade e a honestidade de tão sinistra figura, que óbviamente já deve ter ouvido falar destes valores, mas não sabe verdadeiramente o que significam.

De facto, alguém que é candidato a deputado e que no boletim de candidatura indica que é estudante do 2º ano de direito, quando apenas havia feito uma cadeira do primeiro - direito constitucional- com dez valores, só pode ser um trapaceiro e um aldrabão, tanto mais que persistiu na manutenção dessa informação. Vir agora dizer que se enganou e já corrigiu, não convence o mais ingénuo. Será que haverá alguma alma santa que acredite no argumento? Será que alguém se pode enganar assim?

Depois, Relvas andou a pastar por 4 universidades, até conseguir o almejado canudito, com equivalências a 32 cadeiras, sem qualquer fundamentação dos saberes ou experiência adquirida que, em cada caso, justificasse tal equivalência, para além dos exames às famosas 4 cadeiras, cujos professores titulares das mesmas não foram chamados a efectuar, sendo que ninguém o conheceu como aluno, nunca foi visto na universidade, tudo levando a crer que mesmo esses exames foram efectuados por extra-terrestres noutra galáxia.

Ora acham que um tal personagem é digno de fazer parte do Governo de Portugal, independentemente da qualidade do seu desempenho,aliás péssimo. Por mim, rotundamente não!

É um acto de dignidade correr com ele a todo o vapor. É um acto civico elementar, mas importante, manifestar-lhe a mais elevada repulsa em todos os actos públicos em que o dito cujo tome parte.

Vamos a isso!
publicado por casadasagras às 00:25
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. O que diz Passos Coelho?

. Ressuscitado? ainda não! ...

. Um laivo de dignidade.

. Novos Orgãos Autárquicos

. Curiosidades

. Eleições Autárquicas

. Autárquicas 2013

. Sócrates não desiludiu.

. Novidades Muitas

. Foi muito importante o c...

.arquivos

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

.tags

. todas as tags

.favorito

. As gorduras, sempre as go...

. Um Exemplo de Coerência

. Opções Erradas

. O MONSTRO

. Contradições

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds